Apenas 20% dos assassinatos vão a júri popular em Campinas

Conseg de Barão Geraldo


Campinas registrou, no primeiro trimestre de 2004, 483 homicídios, dos quais 291 dolosos, ou seja, o assassino teve a intenção de matar, de acordo com a Secretaria de Estado de Segurança Pública. A estimativa do Ministério Público Estadual (MP), responsável por denunciar todos esses crimes à Justiça, é que, em média, 80% dos autores dos homicídios dolosos continuarão andando impunemente pelas ruas da cidade, como se nunca tivessem cometido crime algum. Apenas 58 devem ir a júri popular. O restante dos inquéritos será arquivado, a grande maioria, de acordo com o MP, porque a Polícia Civil não conseguirá identificar os autores.

"É um número realmente grande de inquéritos arquivados", afirma o presidente do Tribunal de Júri de Campinas, juiz José Henrique Rodrigues Torres. "É uma maioria esmagadora", testemunha o promotor público Ricardo Silvares, que atua no Tribunal de Júri.

Em maio passado, Silvares e o também promotor Fernando Vianna receberam 100 inquéritos de homicídios. De imediato, enumeram, apenas quatro resultaram em denúncia oferecida ao Tribunal de Júri e outros 60 foram arquivados. Para o restante, foram pedidas novas diligências à polícia. "A gente pede porque acha que o esclarecimento do homicídio deve ser tentado até quando não tiver mesmo mais jeito", disse Silvares.

As razões para insistir em uma investigação mais aprofundada, de acordo com ele, vão desde o fato deste tipo de crime ser um dos mais graves até a percepção de que a impunidade, nesses casos, está entre as que mais contribuem para o aumento da violência. "Quem mata e fica impune, ganha poder frente à comunidade", diz Silvares. "Sem contar que, quando o crime é punido, o efeito é muito bom porque as penas são altas e funcionam como exemplos inibidores para o réu e para quem circula à sua volta. Para um homicídio qualificado, por exemplo, a pena mínima é de 12 anos, sendo que pelo menos oito têm que ser cumpridos em regime fechado", exemplifica Silvares.

A dificuldade na elaboração de um inquérito que ampare a denúncia à Justiça passa por vários aspectos, segundo Silvares. A falta de estrutura dos distritos policiais é uma realidade que, freqüentemente, vem exposta em bilhetes anexados aos inquéritos, segundo o promotor público. "Eles escrevem que a falta de equipamentos, investigadores, material é que não permitiu a investigação", relata Silvares.



Do site IG/Cosmo Online 06/07/2004
 

 

 
  Mundo
Brasil
Jornais
Política
Economia
Educação
Emprego
Cinema
Fotografia
Opinião
Quem Somos
Contato
Matérias Anteriores
Empresas de Barão Geraldo
Fórum Consultivo de Barão Geraldo
Casa do cidadão Baronense
Carnaval em Barão Geraldo
Centro de Saúde
Conseg de Barão Geraldo
Escolas de Barão Geraldo
Mapas de Barão Geraldo

Mata do Quilombo
Mata Santa Genebra
Meio Ambiente Barão Geraldo
Ciclovia em Barão
Casarão do Barão
Parque Ecológico de Barão Geraldo
Parque Linear Ribeirão das Pedras
Polícia Civil
Polícia Militar
Praças de Barão
Restaurantes em Barão Geraldo
Rio Anhumas
Subprefeitura de Barão Geraldo
Teatro em Barão Geraldo
Vídeos de Barão Geraldo

Publicidade no Barão em Foco - clique aqui
Fones: (19) 2121-0632  (19) 3044-0101

 


 

 

Home

Agência 15