.
Caros amigos do Barracão Teatro!!!


É com um enorme prazer que informamos que a partir de março, no Barracão Teatro, teremos a presença de Luiz Fuganti, arquiteto, filósofo auto didata que tem como base de sua teoria e prática, o pensamento de Gilles Deleuse, Felix Guattari, Nietzsche e Spinoza. Tem atuado junto a projetos artísticos e contribuído para o pensamento da função da arte junto aos operários desta, os artistas. Participou conosco de duas palestras para a Redemoinho Regional Campinas, o ano passado. Sua presença se dará através do curso:

A ARTE E O PROBLEMA DA EXPRESSÃO
por Luiz Fuganti

Duração: março a junho de 2006
Data de início: 13 de Março
Quando: segundas, sempre às 20h
Valor: 5 cheques pré-datados no valor de 160 reais cada (16 aulas)
Local: Barracão Teatro, à Rua Eduardo Modesto, 128 - Barão Geraldo - Campinas - SP
Inscrições: de 20/02 à 10/03
Informações: (19) 3289 4275, (19) 9639 4136 com Joice, Esio ou Tiche.


PROGRAMAÇÃO GERAL DO CURSO

Afetos, perceptos e conceptos.
Diferenciais constituintes da ciência, da arte e do pensamento.
A arte como modo superior da vida: estética e liberdade.
O modo de vida como obra de arte ou a ética como estética.
O problema da expressão e o combate contra a representação.
A representação orgânica e as capturas do desejo: a arte sob o jugo moral.
Os três estandartes da representação: contemplação, reflexão, comunicação.
Regimes de signo e capturas do sentido: o imaginário subjugado como instrumento da moral e do poder.
A destituição do juízo e o acesso ao plano expressivo das potências intensivas do corpo.
Arte nômade x artifícios sedentários.
A linguagem como veículo, nau do sentido: significante x topos do desejo - cárcere ou viagem?
O ator e a mímica: máscara x personagem.
Mínimo de espessura no presente e máximo de expressão e intensidade no acontecimento.
O figurativo x o fulgural.
O signo-ícone x o signo sinal: potência do simulacro.
O real como linha abstrata virtual x o abstrato do nada.
O real como ato de passagem e a transformação incorporal que se atribui ao corpo.
Acontecimento x instante: tempo imaginário e tempo real - eterno retorno.
O devir como passagem ou realidade do movimento em ato x falsificação do movimento ou usurpação da passagem.
O informal e a forma.
Conteúdo e expressão.
Quantidades materiais intensivas e qualidades expressivas.
O ato necessário e o duplo no acontecimento - palavra de ordem/sentença de morte x liberação da potência/linha de fuga.
O personagem como máscara e não como eu ou outro.
O duplo, a repetição e a diferença: mínimo de espessura do tempo presente e máximo de intensidade e expressividade no acontecimento: a natureza coma matéria intensa e exprimível.
 

 

Home

Djweb design