Escolas de Barão Geraldo se mobilizam para melhoria do ensino

 

As escolas Hilton Federici e Barão Geraldo de Rezende paralisaram as atividades no dia 17/04/2007
para discutir melhorias no ensino

Declaração:

Somos professores da Escola Estadual Barão Geraldo de Rezende, no distrito de Barão Geraldo. Estamos nos mobilizando para mudar os rumos da educação no país. Neste dia 17/04/2007 dispensamos os alunos para podermos discutir os grandes entraves da educação. Estamos formando grupos de estudos sobre legislação, para podermos acionar o governo do Estado de São Paulo para que respeite e faça cumprir a constituição que garante um Ensino de qualidade e gratuito a todos os cidadãos. O que percebemos é que todas as políticas públicas e investimentos na educação do Estado de São Paulo só fazem a piorar o caos que as escolas já se encontram, como:

  • Falta de funcionários para limpeza e cuidados dos alunos (inspetores);

  • Salas numerosas, sendo que por lei, cada aluno tem direito a 1m de distância entre o seu colega;

  • Carteiras inadequadas ao tamanho dos alunos, principalmente os do Ensino Médio;

  • Lousas em péssimas condições, fazendo com que alunos e professores tenham constantes alergias e precisem ser licenciados;

  • Desmotivação por parte dos alunos em estudar, por mais que o professor motive, pois no final do ano ele sabe que passará e que seu certificado será entregue independente do seu aprendizado;

  • os pais que só criticam o trabalho da escola, e quando são convidados a comparecer para ajudar, não tem tempo para discutir bobagens. Quando são convocados para resolver problemas sérios, dizem que a escola é obrigada a aturar o filho do jeito que ele é, e que não fará nada pra ajudar, pois não tem tempo, infringindo assim, o próprio ECA, artigo 1º;

  • O Conselho Tutelar só serve para enviar aluno para escola, com defasagem de idade, problemas com a justiça, e a escola que se vire;

  • As Diretorias de Ensino são autoritárias e burocráticas;

  • As verbas enviadas são direcionadas e pequenas para a necessidades básicas da escola;

  • Reportagens e estatísticas na mídia, enganosas e mentirosas sobre a realidade da escola pública;

  • Sem comentar os salários e ainda por cima a proposta do Excelentíssimo Governador de R$ 0,54 de aumento por merecimento;

  • Projetos Pedagógicos impostos pela Secretaria da Educação, fora da realidade da escola, como o Projeto "Vivendo o Japão", onde por decreto todas as escolas tem que o desenvolver.


Em tempo:
A situação do ensino público em nosso país é caótica e de conhecimento geral. Acreditamos que que não se trata de causalidade, é proposital e objetiva manter o nível educacional da população em patamares inferiores, assim continuará não havendo compreensão nem interferência nas atividades públicas.
Os pais, principalmente o pai, que deveriam ajudar as escolas e interagir com os políticos, não se interessam, frente aos professores, não escutam, são os sabichões que sabem tudo, muito mais que os professores, coordenadores e diretores. Não participam da escola e reclamam quando são convocados.

Leia também:

Muitos pais sabem o nome de todos os jogadores, mas não sabem o nome de nenhum professor do filho

Veja como é possível estreitar a relação família/escola e formar uma parceria produtiva

Você, caro leitor, faz parte do Clube dos 20% ?

Barão em Foco

 

Home

Djweb design