02 de setembro de 2011

O Santander mentiu na apresentação aos moradores de Barão Geraldo


O Banco Santander, banco espanhol há poucos anos no Brasil, aprendeu rápido como é a política tupiniquim: pode prometer e mentir à vontade.
A impunidade reinante no país permite este tipo de enganação, que é generalizada.

Foi o caso do
Sr. Pedro Ricardo Gloeden Fogolin (fotos abaixo) - Projetos Especiais e Patrimônio do Grupo Santander, que fez duas apresentações no distrito sobre a construção do Data Center no Distrito. Mostrou belos slides e sensibilizou os moradores apresentando metas de segurança durante e depois da construção.
Afirmou categoricamente e várias vezes "
o esquema de segurança durante e depois da construção, quando a empresa estiver em funcionamento, será em conjunto com a ProBairro".
Os moradores gostaram, tinham acabado de passar pela experiência da mega construção do Centro de Radioterapia do Boldrini, ocasião em que os assaltos na região aumentaram consideravelmente, mas agora, nesta outra mega construção, a segurança seria em parceria com a ProBairro e discutida com os moradores.

Infelizmente não foi assim que aconteceu, neste início da construção do Data Center, só na Cidade Universitária são dezenas de residências alugadas para alojamento dos funcionários. Os vizinhos estão apavorados, o número de furtos já aumentou e o assunto é constante entre os moradores e nas reuniões do Conseg.
A proximidade deste pessoal de fora, permite aos mal intencionados, que se misturam com os bons funcionários, acompanhar os hábitos de entrada e saída dos moradores, facilitando os furtos.

O Capitão Augusto, preventivamente, já visitou vários alojamentos e o Delegado Dr. Carlos Fernandes, especialista em investigação, está fazendo o possível, mas a situação tende a fugir do controle com o aumento do número destes alojamentos ao lados das residências familiares.

Legalmente e a curto prazo os moradores não têm como proibir esta invasão. O aconselhável é tomar medidas de segurança mais rígidas para proteger a família e chamar o representante do banco para cumprir as metas apresentadas. Outra atitude é escrever cartas e e-mails à direção do Santander informando que deveriam ter um comportamento mais educado e correto com os moradores de Barão Geraldo.

Como sempre, ilegalidade sem punição, nem mesmo inspeção:
O Santander deveria construir um alojamento para os construtores. Este
alojamento deveria ser exemplar, com áreas de lazer, etc., afinal estamos falando de um dos Bancos mais ricos do mundo, que veio aqui ganhar dinheiro por que lá longe, no país dele, a situação não está boa para bancos e a mão de obra é muito mais cara que a nossa.
As autoridades não deveriam aceitar que aluguem alojamentos de baixo custo pela proximidade da obra em bairro familiar, nem contratar grande quantidade de mão de obra barata, sem contrapartida social/cultural.
Muito menos deveriam permitir o banco, ilegalmente, prejudicar os moradores do distrito com vizinhos que não são famílias em uma região classificada como familiar zona 3, exclusivamente familiar. Os alojamentos são nitidamente comerciais, com característica de hotel.
Em Campinas, as leis são seguidas à risca, surpreendentemente nos mínimos detalhes, quando se trata de defesa dos políticos suspeitos de corrupção, como no caso do prefeito, mas quando a defesa é dos moradores da Cidade Universitária, as leis de utilização do solo são simplesmente ignoradas.

Clique para ampliar

Sr. Pedro Ricardo Gloeden Fogolin do Projetos Especiais e Patrimônio do Santander na palestra que
fez na ProBairro, encantou mentindo para os moradores.

Alfredo M. Morelli
Redator do Barão em Foco

 

 

 

 

 

Anuncie no Barão em Foco

 

Home

Agência 15