Acumulado de chuvas em novembro ultrapassa média histórica dos últimos dez anos e ações integradas da Prefeitura prosseguem 24 horas por dia

 

O acumulado de chuvas no mês de novembro em Sorocaba, registrado pela Defesa Civil, soma 245 milímetros, quantidade bem acima da média histórica dos últimos dez anos, que é de aproximadamente 141 milímetros. Nesta quarta-feira (29), o setor computou 50 mm na cidade, em pouco menos de 30 minutos, durante a tarde. A maior quantidade identificada, até então este ano, foi em 11 de março, quando choveu 84 milímetros. A Defesa Civil e demais equipes da Prefeitura de Sorocaba seguem mobilizadas 24 horas por dia.

Conforme levantamento do setor, em outubro passado, já havia sido constatado recorde de chuvas no mês em Sorocaba, em relação aos últimos dez anos, nesse mesmo período: foram mais de 343 milímetros, sendo que a média histórica era, até então, de 138,5 mm, apurada de 2014 a 2022.

No momento, não há vias interditadas na cidade e nenhuma pessoa desalojada, sendo ações integradas da Defesa Civil e demais equipes das Secretarias Municipais seguem mobilizadas, 24 horas por dia, para atender qualquer ocorrência.

“Tivemos pontos de transbordamento do Rio Sorocaba e os córregos ficaram no limite, porém, o impacto da chuva foi minimizado em decorrência das intervenções realizadas, ou em pleno andamento, pelo Poder Público, sobretudo por meio do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae), como o desassoreamento do Rio Sorocaba, troca de travessias sobre córregos e a construção de reservatórios de detenção de cheias, evitando alagamentos em áreas historicamente atingidas”, destaca o prefeito Rodrigo Manga, que visitou esses pontos na noite de quarta-feira (29), acompanhado dos secretários municipais Alexandre Caixeiro (Segurança Urbana – Sesu), Darwin de Almeida (Serviços Públicos e Obras – Serpo) e do diretor-geral do Saae/Sorocaba, Tiago Suckow.

Inclusive, houve bairros, como Jd. Sandra, Jd. Faculdade, Jd. Maria do Carmo, Vila Assis, Vitória Régia, Vila Rica e Jd. Marli, em que não houve maiores danos, como historicamente acontecia na cidade. No momento, todas as escolas municipais e unidades de saúde estão funcionando normalmente e passando por vistoria, desde a noite de ontem, quarta-feira, a fim de se providenciar quaisquer reparos necessários. Ao passo em que a Secretaria da Cidadania (Secid) atua no sentido de atender às eventuais necessidades da população.

O Rio Sorocaba chegou a ficar 70 centímetros acima do nível normal, sendo que, nesta quinta-feira (30), o leito voltou à normalidade, permanecendo com correnteza. 

Conforme balanço, na Avenida Dom Aguirre, ontem, quarta-feira, foi necessária a interdição temporária da via na altura da Praça Lions e Parque das Águas, assim como na Avenida XV de Agosto, na altura da Rua Antônio Roque Rodrigues. A Avenida Afonso Vergueiro também ficou brevemente interditada, entre a Rua Souza Pereira e a Rua Professor Toledo, assim como a Av. Juvenal de Campos, na altura da Praça Dom Tadeu Strunck. Ocorreram, ainda, alagamentos em pontos no Mineirão, Jd. Pelegrino e Jd. Piratininga, além de enxurradas em trechos da Avenida Itavuvu, Avenida Ipanema, Avenida Três de Março e em pontos no Wanel Ville e Jardim Itanguá.

Os ventos chegaram a 42 quilômetros, por hora, na tarde de quarta-feira e a Defesa Civil identificou queda de galhos ou de árvores em pontos no Jardim Judith, Campolim, Jardim Nova Esperança, Vila Barão, Alto da Boa Vista, Trujillo, Jardim Santa Bárbara, Cidade Jardim, Centro e Jardim Paulistano. A ventania também ocasionou o destelhamento de residências no Jardim Nova Esperança e deslizamento de muros no Jardim Europa, Central Parque, Além-Ponte, Jardim Vergueiro, Mineirão, Jardim Refúgio e Trujillo.

Houve um caso de erosão em estrada de terra no bairro Genebra, onde equipes já estão mobilizadas na manutenção deste e outros pontos, de forma preventiva, também na Zona Rural. A Defesa Civil, as Secretarias Municipais e Autarquias estão mobilizadas permanentemente, e os telefones para situações que demandem urgência são: 199 (Defesa Civil) e 193 (Corpo de Bombeiros).

 

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *