Funjope elege representantes da sociedade civil para o Conselho do Fundo Municipal de Cultura

A Fundação Cultural de João Pessoa (Funjope) realizou, nesta terça-feira (20), na sala Wladmir Carvalho, da Usina Cultural Energisa, uma assembleia para eleger os representantes da sociedade civil junto ao Conselho do Fundo Municipal de Cultura (FMC). Os eleitos vão atuar durante o biênio 2024 a 2026.  

“Nós prezamos muito, na Funjope, por um profundo diálogo e respeito com a sociedade civil. É muito importante para todos nós a eleição desses representantes das associações e dos coletivos, porque mostra o grau de parceria que temos com essas organizações”, declarou o diretor executivo da Funjope, Marcus Alves.  

Ele ressaltou que o Conselho do Fundo Municipal de Cultura tem uma importância fundamental, porque é por ele que são aprovados, avaliados e qualificados todos os projetos de financiamento por meio de editais do FMC. “Estamos trabalhando desde 2021 irmanados com essa ideia de que precisamos ter um profundo diálogo com a sociedade civil para desempenhar melhor o nosso trabalho”, disse.  

E continuou: “Eu queria muito agradecer a todas as associações, às pessoas que se prontificaram e se candidataram a ser representantes do nosso Conselho e, ao mesmo tempo, agradecer à equipe da Funjope e aos antigos conselheiros que deram uma contribuição importantíssima”.  

Este ano, segundo ele, tem um significado muito especial para o trabalho do Conselho, pois há vários editais pela frente, inclusive o da Lei Aldir Blanc II, que deve ser desenvolvido e executado em 2024. Então, como acrescentou, o Conselho ganha esse significado e essa importância para a política de cultura de João Pessoa.  

Os candidatos eleitos foram, pela Ensaio Brasil Produções LTDA, Maurileuza Fernandes C.Lima; pela Liga das Quadrilhas Junina de João Pessoa, Rossana Maria Pereira da Silva; pela ONG de Cultura Popular Xiado do Xinelo, Alexsandro Queiroz de Oliveira; pela Associação Cultural Sanfona Branca, Elaine Cristina da Silva Pedro; e pelo Sol das Letras, Jéssica Fernanda da Silva Queiróz.  

Foi cumprido o quórum mínimo paritário exigido pela Lei de Criação do FMC 9.560/2001 e regido pelo Decreto nº 7.380/2001. Metade dos conselheiros é eleita pela sociedade civil e a outra metade será indicada pelo poder público municipal.  

Marcus Alves é o presidente da comissão e os demais conselheiros são Michele Almeida de Lima, Maria Elaine da Silva, Fernanda Márcia Svendsen, Edilania Vivian Silva dos Santos, Iam Lins B. Pontes e Paulo Roberto de Souza.  

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *