Nova exposição e Museu Vivo reúnem mais de 400 pessoas

Avelino Israel


Fundação Cultural Cassiano Ricardo

Mais de 400 pessoas acompanharam, no último domingo (28), a abertura da exposição temporária “Nos Braços do Violeiro” e a edição especial do Museu Vivo, ocorridas no Museu do Folclore de São José dos Campos. A exposição ficará aberta até o dia 25 de maio para visitação gratuita do público.

A exposição pode ser vista de terça a sexta, das 9h às 17h, e aos sábados e domingos, das 14h às 17h. Contemplada pelo Programa de Ação Cultural Circulação (Proac), da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, a mostra seguirá depois para Botucatu, Pardinho, São Luiz do Paraitinga e Campinas.

“Estou me sentindo de alma lavada e ansioso para o próximo encontro, no dia 19 de maio, quando realizaremos uma nova roda de conversa e viola”, afirmou o artista visual, educador e violeiro Yuri Garfunkel, um dos idealizadores da exposição.

Interativa

Com curadoria do art advisor e produtor João Carlos Villela, que também é um dos seus idealizadores, a mostra foi montada a partir da obra “A Viola Encarnada: Moda de Viola em Quadrinhos”, um romance gráfico inspirado em mais de 80 canções do repertório caipira, com roteiro e artes de Yuri.

Além do contato com as páginas originais da obra em HQ (história em quadrinhos) e seus esboços, o visitante poderá apreciar violas dos músicos Tião Carreiro e Edu Viola (já falecidos) e até montar sua própria história em um quadro interativo que também faz parte da exposição.  

Diálogos

Para a gestora do Museu do Folclore, Camila Inês, “é uma satisfação receber esta exposição e poder oferecê-la ao nosso público”. “Inclusive, porque ela também fará parte da programação do projeto Diálogos sobre Folclore, que realizaremos em maio, com o tema “Vida viola: som e memória, outrora e agora”.

“A abertura da exposição foi um grande encontro de vozes e violas, boas prosas e cantorias, valorizando a presença deste instrumento na nossa cultura e o saber fazer de seus tocadores, relações cheias de histórias”, ressalta Camila.

Patrimônio imaterial

“A exposição é muito interessante e as obras em aquarela são muito sensíveis, além de destacar um tema muito importante para o patrimônio imaterial da região, que é a viola caipira”, destaca a museóloga do Museu do Folclore, Mariana Boujadi.

Para ela, a forma de apresentação da exposição é simples e, ao mesmo tempo, inteligente, quando oferece uma narrativa dos trabalhos expostos, que pode ser acessada por QR Code, e um quadro interativo imantado.

Museu Vivo especial

“Só mesmo a cultura popular para proporcionar este encontro de velhos amigos”, enfatizou Yuri, que comandou uma roda de viola após a abertura da exposição, com a participação de Lula Fidalgo, Mirian Violera, Fábio Miranda e David Godoi; e outros violeiros que se juntaram ao grupo.   

A boa música fez parte de uma edição especial do Museu Vivo, que também reuniu o luthier Getúlio Soares, no artesanato, e a culinarista Solange Cristina Moreira, que fez uma receita de rosquinha. Uma vivência rica em cultura popular.

Gestão

O Museu do Folclore é um espaço da Fundação Cultural Cassiano Ricardo, que funciona no Parque da Cidade desde 1997. Sua gestão é feita pelo CECP (Centro de Estudos da Cultura Popular), organização da sociedade civil sem fins lucrativos.

 

Museu do Folclore de SJC

Av. Olivo Gomes, 100 – Santana

(12) 3924-7318 e (12) 3924-7354

www.museudofolclore.org

 


MAIS NOTÍCIAS

Fundação Cultural Cassiano Ricardo

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *