Parque Arruda Câmara é refúgio de animais exóticos, originários de outros países

Mimi, Leona, Raj, Bahuan, Alagoana, Jeni, Flecha e Anastácia. Esses são os nomes de alguns dos animais exóticos que vivem no Parque Zoobotânico Arruda Câmara (Bica), administrado pela Secretaria de Meio Ambiente de João Pessoa. Os moradores são espécies nativas de outros países e foram encaminhados para o local por órgãos competentes, a exemplo do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Alguns foram vítimas do tráfico de animais e outros têm deficiências que os impossibilitam de voltar à natureza. Na Bica, eles são tratados com respeito, atenção e recebem os cuidados adequados de profissionais qualificados.  

As leonas Mimi e Leona são espécies nativas do continente africano. A primeira é moradora recente da Bica – chegou ao local no ano passado, vinda do estado de Teresina. Já Leona nasceu no Parque em 2006. De nome científico Panthera leo, elas se alimentam diariamente de mais de cinco quilos de carne.  

“Além de um recinto grande, que segue as normativas do Ibama, usamos enriquecimento ambiental para que Mimi e Leona ocupem seu tempo. São atividades que usam a própria comida, ervas ou cheiros de outros animais, tudo para estimular a mente dos animais”, explica a bióloga Helze Lins, que trabalha há 36 anos na Bica.  

As serpentes Piton – Raj, Bahuan, Alagoana e Jeni – são espécies originárias do Sudeste e Sudoeste da Ásia, habitando florestas tropicais úmidas e pântanos. Alagoana chegou ao Parque há uma semana, vinda de apreensão realizada pelo Ibama.  

De nome científico Python molurus, o grupo não exige tanto espaço para viver, pois passa dias digerindo o alimento. A alimentação delas é feita de presas abatidas, como frango, coelhos e ratos maiores, a cada 25 dias.  

A Panterophis guttatus, mais conhecida como Corn snake ou cobra do milho, é uma espécie originária do Sudeste dos Estados Unidos. “São animais geralmente dóceis, que não apresentam a dentição inoculação de veneno. Elas se alimentam de ratos e camundongos”, explica a bióloga.  

Já a Kingsnake é originária do Sudoeste dos Estados Unidos e Noroeste do México. De nome científico Lampropeltis getula, a espécie habita florestas, pântanos, pastagens e desertos e também se alimenta de camundongos e ratos. Nem a Corn e nem a King receberam apelidos. “Não são os tratadores que dão nome aos animais. Às vezes, os animais já chegam à Bica com um nome, outros fazemos concurso para a população escolher o apelido e, em outros casos, os técnicos escolhem”, conta Helze Lins.  

As tartarugas da orelha vermelha são as representantes aquáticas da América do Norte. Elas passam a maior parte do tempo na água, saindo apenas ao sol para realizar a termorregulação. De nome científico Trachemys elegans, elas se alimentam de vegetais e proteínas animais.  

Por fim, mas não menos importante, temos o casal Flecha e Anastácia, que são Macacos da Savana e encerram a lista de animais exóticos que vivem na Bica. Os primatas são originários da África, encontrados na Etiópia, no Sudão e na Guiné. Eles são onívoros, que comem vegetais, proteína animal e ração de primatas. “Todos os animais recebem enriquecimento ambiental semanal e os recintos são ambientados de acordo com o hábito de cada espécie, visando o bem-estar dos indivíduos”, destaca a bióloga.  

Serviço – O Parque Zoobotânico Arruda Câmara está localizado na Avenida Gouveia Nóbrega, s/n, bairro do Roger. O espaço abre de terça a domingo, das 8h às 17h, com entrada até as 16h. A taxa ambiental para ter acesso ao local custa R$ 3. Crianças com sete anos, pessoas com deficiência e idosos com mais de 65 anos não pagam a entrada.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *